Sentada na Pia

Porque esse poderá ser o último recurso de um pai e uma mãe de primeira viagem na Coreia do Sul…

Something is going on

O cansaço está realmente grande. Uma sensação ruim, uma dor no corpo, um sono incontrolável o tempo todo. Tudo agravado com a necessidade de estar 300% plugada no pique da Beatriz, com sorrisos, caretas, músicas e brincadeiras.

O Rê me perguntou se o cansaço que eu sinto hoje é igual ao que eu sentia no início. Não, não é. No início era a recuperação da cirurgia + baby blues + o massacre da novidade de ser mãe. Tirando a cirurgia, a coisa era mais psicológica. É óbvio que tinha o cansaço físico também – e muito – mas o psicológico fazia com que o físico fosse fichinha.

Talvez seja somente uma fase. Na última semana a Beatriz demandou muito o peito, literalmente me drenando o dia todo, quase que de hora em hora. Demandou também muito colo, muita proximidade. E muito sobe-e-desce também. Minha bateria se foi inteira, e a recarga está demorando um mais do que eu preciso.

Estou aproveitando os minutinhos que ela dorme em casa para eu dar uma fechada de olho, mesmo que eu não durma. Espero que ajude, porque eu preciso ficar inteira rapidinho.

26/05/2009 Posted by | colcha de retalhos | 13 Comentários

Botando as divinas tetas nos trilhos

Amamentar não é fácil, realmente. Hoje entendo como tem tanta mãe pelo mundo que não aguenta o tranco. E não estou só falando do ato de amamentar em si, mas sim de toda a insegurança gerada pelo “alimento invisível”. Afinal, sabemos que o bebê está mamando, que o leite está saindo, mas nunca sabemos se é o suficiente. O abalo psicológico é grande e profundo.

Na próxima segunda levaremos Beatriz à Dra. Annabel para a terceira dose do coquetel molotov; e de quebra, mais um check-up com pesos e medidas. Eu já comecei a surtar desde a semana passada. Quem me conhece sabe que eu sou muito cuca fresca e pé no chão prá tudo, mas esse negócio me tira do prumo. Que coisa.

Aí vem outras encucações. Hoje eu amamento em livre demanda. Prá falar a verdade, eu nunca consegui entender muito bem o conceito. Eu amamento a Beatriz até ela não querer mais, e tomo cuidado em controlar o leite anterior e o posterior. Mas o que me deixa com a pulga atrás da orelha é essa coisa de dar o peito toda vez que o bebê pede vs. estabelecer os horários de mamada. Me dá a impressão de que dar de mamar sempre que o bebê pedir se assemelha com dar lanchinhos a uma criança de 4 anos sempre que ela tiver fome, independente dos horários de refeições. Posso estar completamente enganada, pois talvez com a introdução dos sólidos os horários vão naturalmente se encaixando. Hoje ela come de 3 em 3 horas, salvo os momento de picos de crescimento que pode mamar a toda hora, literalmente.

Já que perguntar não ofende… Às mães de plantão que amamentaram, como foi a vivência de vocês?

21/05/2009 Posted by | colcha de retalhos, perguntar não ofende... | 37 Comentários

Seleta de Legumes

Cena 1:

Com o Rê na China e o carro na garagem, resolvi ir ao supermercado. Depois da mamada, encaçapei a Beatriz no bebê conforto e lá fomos. No caminho, o chorinho de “cadê a minha mãe que eu não tô vendo”; perdi a conta de quantas músicas tive que cantar. Pelo menos deu certo.

Chegando lá, o desafio: colocá-la no carrier e torcer para ela não dar piti. Pois não deu. Ficou uma mocinha, sendo paparicada por todas as ajummas que trabalham no Kim’s Club. Distribuiu sorrisos, e quando estava passando pelo caixa ela dormiu. Estava tão cansada que nem acordou quando eu a coloquei no carro.

Bom sinal…

Cena 2:

Após adentrar a hora cinzenta (algo em torno das 5 da tarde), hora a qual nada está bom e Beatriz chia mais que porta velha, resolvi que o melhor seria darmos uma caminhadinha pelo condomínio. Saindo do prédio havia 3 crianças brincando: Beatriz já as viu de longe e quase sai do colo de tanto sacudir as pernas. Chegando perto das crianças, Beatriz se pôs a gargalhar de uma forma que eu nunca tinha visto. Foram 10 minutos olhando para as crianças e rindo. Uma graça!

Bom sinal…

Cena 3:

Hora do banho na hora cinzenta. Beatriz quer que eu cante e dance a música do banho do Castelo Rá-tim-bum milhares de vezes. Saio cantando e pulando do quarto para pegar a banheira, ela chora; volto, ela pára; saio novamente para pegar a água, ela chora; seis viagens para encher a banheira, seis pitizinhos. Na terceira viagem, ela resolve que quer comer de novo. Ok, parada para a segunda fase do jantar.

Finalmente o banho. Ela brinca com os bichinhos na água enquanto eu aproveito as deixas para lavar o que precisa ser lavado. Pego a toalha-fralda para secar o cabelinho dela e deixo-a cair dentro da banheira. Mas que fezes! A outra seca está do outro lado do quarto. Deixa prá lá, vai ser transferência para a toalha na cama sem pré-enxugar. Quando estou tirando a Beatriz da água, ouço um barulho de torneira aberta: é a água da banheira vazando pelo tampão – que eu me esqueci de apertar por causa do stress em encher a banheira – e inundando o quarto. Larga bebê na cama, saí correndo prá pegar panos de chão. Beatriz berra, o quarto inundado, leva banheira pro banheiro, joga 12 panos no chão para absorver a água, Beatriz berra mais, panos não dão conta, mais berreiro, vai buscar mais panos, berreiro pára, inundação contida.

Volto correndo para trocar a Beatriz e a encontro rindo. Aí sobe aquele cheiro que já conheço bem: fez cocô na toalha. É rir prá não chorar…

Ainda tô procurando o sinal…

20/05/2009 Posted by | Beatriz, diário | 20 Comentários

18 de maio

A Beatriz passou o dia toda esquisita, com um quê de Dr. Jekyll e Mr. Hyde. Começou às 3 e meia da manhã: chego no quarto para a mamada da madrugada e a encontro com a cabeça nos pés do berço. Como é que ela conseguiu rodar 180 graus? Depois durante o dia, o intestino resolveu que não ia funcionar nem-a-pau-juvenal. Após uma manhã inteira acordada sem conseguir dormir – e claro, chorando porque não conseguia dormir ou fazer cocô – ela finalmente pega no sono às 11 da manhã e só acorda às 2 da tarde. Aquela checada básica na fralda, e nada de cocô. Mais chorinho, apelei prá Funchicória. Bendita e Santa Funchicória, porque depois de 5 minutos o cocô começou a sair. Depois do soninho durante o passeio, mais chorinho. E mais cocô. E mais chorinho. E mais cocô. Aí desembestou a mamar a cada 20 minutos durante 2 horas, e quase me vira do avesso. Dormiu no peito. Capotei.

Havia momentos em que ela estava feliz, toda sorridente, brincando. Aí vinha o leprechau e virava a chavinha, e lá vinha o choro de desconforto. Tenho a impressão de que isso vai durar mais uns dias se ela estiver em mais um pico de desenvolvimento.

Cresce, minha filha, cresce…

18/05/2009 Posted by | Beatriz, diário | 10 Comentários

Personal Trainer

Eu sempre digo que a Beatriz veio ao mundo para também ser a minha Personal Trainer. Na última semana, nada tem sido mais verdadeiro do que isso. Todo o stress psicológico do início da maternidade deu lugar a uma exaustão física sem par. Ao mesmo tempo que ela está super-boazinha, a exigência ficou maior. A interação acontece o dia inteiro, desde a hora que acorda até o último suspiro no início da noite. E para ela, tudo no mesmo ritmo e na mesma intensidade. Ainda mais com a chegada do calor, nós saímos muito para passear e são esses momentos que ela acaba tirando suas sonequinhas. Ela tira soneca e eu empurro o carrinho morro acima.

O resumo da ópera é que eu fico um bagaço. Eu, que nunca consegui dormir durante o dia, fico esperando a soneca da tarde para poder dar um cochilo também. E à noite eu me vejo em um filme em câmera lenta, só esperando pelo momento do banho e cama.

E o saldo de tudo isso é blog sem posts (não é falta de assunto…), e-mails de amigos queridos esperando uma resposta, livros começados na cabeceira. Mas também uma alegria imensa, e o privilégio de poder passar cada segundo com a minha filhota, contabilizando os progressos e novidades que acontecem a todo momento.

Ah, e eu tô magrela, magrela… 🙂

18/05/2009 Posted by | colcha de retalhos | 5 Comentários

Be-a-bá

Alguém tem que começar a alfabetização dessa criança. E, principalmente, desenvolver a fala…

– Filha, vamos aprender a falar?

– Aaaaahhhhh…brrrllllll…

– Ok, vamos lá, repita: “Eu quero mamar no peito da mamãe!”

– Iiiihhhhh…bbbrrrrllllllll…aaaahhhhh….pfffffff….

– Hum, sei, difícil, né? Vamos tentar então algo mais fácil: “Pa-pai!”

Tão olhando o quê? Tô tentando facilitar a vida dela, ora!

16/05/2009 Posted by | Beatriz, diário, Esquema | 6 Comentários

E lá se vão as perucas…

O tal eflúvio telógeno já começou. Por enquanto a queda está como era antes, mas acho que vai aumentar… E Beatriz também entrou na dança. Está perdendo todos os cabelinhos ao redor da cabeça. Tá parecendo os milicos aqui da base militar americana em Seul! Tadinha… Tá ficando careca!

13/05/2009 Posted by | Beatriz, colcha de retalhos | 14 Comentários

Evolução

Muito sutilmente a rotina da Beatriz vem se alterando. Nada muito drástico, mas o suficiente para que a MINHA rotina diária se perca um pouco. Isso porque ela agora fica mais tempo acordada, o que significa que durante o dia inteiro ela tira de 3 a 4 sonecas de 45 minutos ou 1 hora, no máximo. E, é claro, ela está muito mais ativa e interativa, o que me deixa super-mega-hiper plugada em tudo o que ela faz. Todo dia tem coisa nova, às vezes pequena, quase imperceptível, mas o desenvolvimento dela vem sendo exponencial. Assustador.

Bom, chega o final do dia e eu estou um bagaço. Às vezes sento para escrever o diário e não consigo, tamanho o cansaço. Mas passa. E dá-lhe readaptação…

13/05/2009 Posted by | Beatriz, colcha de retalhos | 2 Comentários

Felicidade

Nossa, como vocês estão felizes! Até mais felizes do que ela!

Essa foi a frase que ouvi de uma coreana que estava sentada ao meu lado, na missa do Dia das Mães.

Foi muito, mas muito bom mesmo, ouvir isso. Sinal de que, apesar da exaustão física, estamos radiantes em ter nossa filhota nas nossas vidas. Nosso maior medo era ficarmos como alguns casais que costumávamos encontrar pela cidade, carregando seus bebês como se tivessem indo para um enterro. Olhávamos esses casais e a pergunta vinha: se é prá ser infeliz assim, para que ter filhos?

É verdade, Dna Coreana. Estamos felizes demais!

12/05/2009 Posted by | colcha de retalhos | 8 Comentários

Dia das Mães

Beatriz já prestando homenagens à mamãezinha querida!

Um Feliz Dia das Mães!

10/05/2009 Posted by | Beatriz, diário | 20 Comentários